junho 13, 2011

Bem me disseram

que eu não tinha armas para jogar este jogo. É que nem das informáticas.

21 comentários:

Cristina disse...

Deixa de ser parva e deixa a rapariga...acredito que não tens mesmo nada para te entreteres!

CHEGA!

Cristina disse...

ai agora só publicas os comentários que são a teu favor?

Parva mesmo, estás mesmo amostrar quem és!

Mad disse...

Parece-me que está respondido. Tenho mais que fazer, como se pode ler no nome do blog. Desculpe, sim?

angela disse...

Tenha coragem e deixe andar.
Penso que já tomou as providências legais. Agora é esquecer para não se maçar mais porque lidar com uma pessoa alucinada é muito desgastante.

Cristina Silva disse...

Madalena,

Apenas a conheço dos seus blogs, mas quero que saiba que o que essa criatura doente lhe tem feito é simplesmente vergonhoso. Há algum tempo atrás, ainda antes de tudo isto começar, apercebi-me que essa tal de Pinkky sofria de graves pertubações mentais. Bastava ir ao blog dela uma vez. Apenas comentei uma vez, a propósito de um ataque que ela fez à Teresa, pessoa que respeito. Aconselhei-a a procurar ajuda médica, e depressa. Obviamente que ela não publicou o meu comentário. Como não publica absolutamente nada que não lhe interesse. Não tenho a mais pequena dúvida que a Madalena nunca ameaçou o filho dela. A meu ver, esse comentário foi feito pela própria para se vitimizar. Só queria deixar aqui uma palavra de apoio, no meio de tanta maldade que lhe têm deixado por aqui.
Um abraço.

Droky disse...

Não acho normal. Mesmo nada normal, não só a mulher é completamente doida, mas as amigas ainda são piores! Como é possível, não entendo juro que nao... De facto não há como lutar contra isto, tentar meter juízo na cabeça daquelas brejeiras é absurdo.

***

Mad disse...

Ângela,
Obrigado :-)

Cristina,
Obrigado também.
A minha opinião é rigorosamente a mesma. Se eu tivesse um filho que é regularmente ameaçado por estranhos garanto que 1) não publicava as ameças, 2) tinha muito mais medo do que ela mostra ter e 3) já tinha corrido à PJ mais próxima. Ora se ela própria não leva a sério essas ameaças, é porque deve saber que não são reais.

Mad disse...

(cont)
E não andava descontraidamente a insultar estranhos e a planear viagens entretanto.
Mas isso sou eu, que sou normal.

Droky,
Há como lutar contra isto, sim.

Maria disse...

Concordo totalmente com a Cristina Silva.

A moça é doente e isso compreende-se lendo duas ou três coisas do blog dela.

Lembro-me (já para não mencionar as afirmações que fez em relação a pessoas da sua própria família) do que ela fez em relação à pobre empregada do cabeleireiro, que ela acabou por fazer despedir - e congratulou-se disso no blog.

O que não entendo é a posição de algumas pessoas que entraram nisto no fim da "festa" e vêm defendê-la de forma tão aguerrida.

Ou são absolutamente inconsequentes, ou querem atrair as atenções sobre si próprias e sobre os seus blogs à custa da situação.

Ou são como ela. Lamentavelmente, também é possível.

Calma e perseverança, Madalena. É bem mais fácil desejar do que conseguir, mas ... :))

Mad disse...

Maria,

Obrigado pelos seu comentário, até porque não sei quem a Maria é. Que os meus amigos me defendam com unhas e dentes, tenha eu razão ou não (do meu ponto de vista isso é um pormenor irrelevante), acho natural. Que pessoas que não conheço também me apoiem, é muito significativo. Consigo passar a minha mensagem.

Não conheço tão bem assim o blog da tal pessoa, não sei essa história do cabeleiro. Mas li sobre a outra história que refere. Não quero comentar sobre isso, até porque não sei se é verdade; ela viaja tanto na mayonnaise, como diriam os brasileiros... Se for verdade, faz-me pena. Se não for também, talvez mais ainda.

Quanto às terceiras pessoas, parte delas pararam para pensar. E eu admiro gente que tem a atitude de parar para pensar, para mudar de opinião, para deixar o coração de lado e começar a pensar com a cabeça (isso sou tão eu, também) e até vou mais longe: que tem a atitude de o afirmar em público e logo aqui no meu blog. Reparou?

Menino do mar disse...

Acho impressionante a forma gratuita como se cataloga uma pessoa que não se conhece pessoalmente, só por aquilo que escreve no blog.
Não se esqueçam que do outro lado está um ser humano, que tem todo o direito de errar e de se defender quando é atacada, e até tem o direito de o fazer à sua maneira que pode ou não ser como a vossa.
Volto a pedir... deixe a miúda em paz. Enough is enough...

pink poison disse...

Eu assinno por baixo, pelo bem de todos.

Mad disse...

Menino do mar,

E eu digo-lhe que está a atribuir as posições de ataque e defesa ao contrário. A atacada sou eu, quem se defende também sou eu. Leia melhor a história, é questão de procurar os links mais para baixo.

Quanto ao segundo parágrafo, aplica-se a mim também.

E quanto ao terceiro, experimente pedir-lhe isso a ela.

Luisa disse...

Madalena

Apenas lhe quero deixar uma mensagem de apoio e dizer-lhe que aquela rapariga é louca. Há algum tempo que desconfiava de determinadas histórias que ela contava. Havia sempre qualquer coisa que não batia certo. E desconfio que muitas das histórias que por lá passam são inventadas. Mas desta vez a coisa foi longe demais e acho que a Madalena fez muito bem em ir para a justiça.

Ah e obrigada pela "Uma vez que seja", gostei muito.

Luna disse...

É engraçado que eu ainda hoje estava a pensar nisso das ameaças e no levá-las a sério. O que é que uma pessoa normal escolheria fazer em caso de acreditar que as ameaças ao seu filho eram verdadeiras e temer por ele porque quem as fez representa um perigo real:

1) retirar do blog o post com os emails da pessoa que alegadamente lhe ameaçou a criança, por causa da tal exposição não autorizada, e eventualmente contactar a polícia.

2) não só não retirar os e-mails, mas publicar a foto e 400 posts altamente ofensivos para provocar ainda mais a tal pessoa "que é capaz de tudo"?

Pois...

Maria disse...

Sim, reparei que a Pink Poison ponderou a hipótese de estar errada na sua análise. Uma pessoa que está disposta a assumir que errou tem o meu respeito.

Contudo, basta ler esta caixa de comentários para nos apercebermos que o pressuposto de várias pessoas continua a ser "vá... deixe lá... não se meta mais com a moça (?????!!!!!!) que ela tem o direito a errar, a reagir de forma incorrecta e tem direito a estar sossegada lá no seu canto (????!!!!)."

Ninguém está a julgar a pessoa por "aquilo que ela escreve no blog"! Mas sim pela baixeza e desonestidade da sua conduta em relação a outras pessoas. Que também existem. Que também têm direito a estar "sossegadas no seu blog".

Será isto tão complicado?

Paciência e serenidade, em doses monumentais, é o que lhes desejo, a si e a todas as pessoas que se viram envolvidas neste lodaçal.

Mad disse...

Luísa,
Obrigado :-)

Luna,
Ora nem mais. Pela atitude dir-se-ia que ela SABE que as tais ameaças não existem.

Maria,
100& de acordo.

Luna disse...

Também acho piada ao pessoal que te diz "ah, coitada, deixa a miúda em paz". Deve ser porque nao sao eles que continuam com a cara escarrapachada em grande plano com acusações infundadas no blog daquela doida. Ate parece que ela tadixa está lá quietinha descansada sem fazer nada de mal, e tu é que a foste chatear do nada. Nao és tu quem expõe dados pessoais e fotos da criatura sem ter esse direito, mas o contrário.

Mad disse...

E continua, viste? Não há paciência, palavra de honra.

Ciências Farmacêuticas disse...

Não me pondo do lado de ninguém, mas acho que uma de vocês já devia de ter pegado nas perninhas e ter apresentado queixa contra a outra, se estão tão ofendidas com as ofensas respectivas. A Polícia facilmente abre um processo e obtém as provas necessárias. E já não precisavam de se andar a chatear as duas. Chama-se a isto ser prática. E depois pede-se também uma indeminização para pagar as despesas jurídicas. O único problema é que provavelmente o juíz não há de dar razão a nenhuma, pois houve ofensas de ambas as partes bastante graves e por enquanto ainda não houve nenhuma que ignorasse ou deixasse ficar por comentar nenhum dos posts da outra.

Mad disse...

@ C.F.

1. As "perninhas já foram pegadas" e a queixa já foi feita; o processo está a correr.

2. Importa-se de me dizer quais as ofensas graves da minha parte a que se refere? É que não estou a ver nenhuma, além do epíteto "criatura rastejante" que, confesso, foi posto com algum carinho.

Antes de falar convém ler.