fevereiro 28, 2009

Fadistices


Tinha saudades de fados, tinha mesmo. Isto de passar quase dez anos emigrada fez-me sentir umas saudades doidas da pátria, e por causa dela dos galos de Barcelos, das fadistices, das varinas, da luz de Lisboa, das oliveiras, dos malmequeres à beira das estradas, do cheirinho a alecrim. Nunca me senti tão portuguesa como desde que fui embora.

A noite de ontem foi pródiga em sentimentos contraditórios. Cantou-se muito, maravilhosamente bem e também malzinho. Falou-se pouco com quem se devia. Comeu-se decentemente, bebeu-se razoavelmente. A sala, mínima, estava cheia que nem um ovo já ao princípio da noite. E como foi chegando mais gente, chegou a um ponto em que parecia que não cabia nem mais uma agulha. E até a mim, que fumo como uma chaminé, me doíam os olhos. Mas fadistices são mesmo assim. O álcool faz mal à voz, dizem. Não acho nada, e que faz maravilhas à arte de representar é que não tenho mesmo dúvidas nenhumas.

Os reis da noite: o António, excelente como sempre (e que bonitos érres ele tem), e a Maria João Quadros, cuja voz portentosa me arrepia a espinha. Os Câmaras, chegados tarde e a más horas, deram vários ares da sua graça com a qualidade de sempre. O Nuno Aguiar pôs-nos todos a sorrir com a sua simpatia. E do resto, desculpem-me, não gostei nada: a Gaivota, o fado mais bonito do mundo, cantado por um canário - afinadinho, é certo, mas que mal se ouvia.

Mas soube-me a pato. Obrigada, António.


.

11 comentários:

Teresa disse...

Subscrevo, eu que há tanto tempo não ouvia fado.

E quele Tenho Vergonha pela Maria João (para mim o momento mais alto da noite) foi mesmo... uma coisa que não se descreve e só se pode sentir.

Diabba disse...

Eu gostei de tudo (até da mocita com as unhas dos pés encravadas - daí os gritos lancinantes) hihihihi

Não gostei de não ter conversado contigo, e ter que ouvir uma gralha dum lado, e ter uma múmia doutro a agarrar-me o braço (tipo tenaz) e a segredar-me "sou sobrinha do Pedro Homem de Melo" arghhhh

Ahhhh parece-me que gostei da parte "soube-me a pato" hihihihi impõe-se que pergunte: soube a toda a gente, a pato?? (em inocentinha mode)

enxofre

Mad disse...

AHAHAHAHAHAHAH! Tu não existes!

Fatyly disse...

Uma noite diferente e com sabor a pato, ora bem:))))

JS disse...

Eu moro em Barcelos e não se vê assim muitos galos! Mas se tens saudades é só dizeres mulher!!!

Teresa disse...

Diabba,
A nós duas... não soube. 40. :)

Mad disse...

Diga?...

Músico Guerreiro aka Melões disse...

nao fui, paciencia, mas confesso que tambem sou dado a fadistices (deve ser sindroma de emigrante). Talvez por isso quando estive em Lisboa no fim de ano fui com a cara metade jantar a uma casa de fados.
Beijos

Teresa disse...

Não estou a ver o comentário do António...

Joanissima disse...

E um charme que é esse António... : )

beijo!!

日月神教-向左使 disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.