novembro 20, 2007

Lonjura

Por mais acompanhado que se esteja, há momentos em que nada nem ninguém consegue galgar a muralha que construímos à volta. De vez em quando, ergo inconscientemente essa muralha, o que faz com que o Diogo me estranhe, e se preocupe. Ele prefere ver-me aos gritos e palavrões do que muito calada, porque habitualmente consegue identificar a causa dos gritos; já a minha quietude, nada habitual, deixa-o nervoso. Fico assim por uma série de razões, não necessariamente negativas.

Mas, na maior parte dos casos, realmente quietude não tem nada a ver com alegria, e eu não sou excepção. Posso estar saudosista, mergulhada em recordações (umas boas, outras más), posso estar preocupada com alguma coisa que ainda não aconteceu, e posso simplesmente não estar cá. É neste caso que fico mais quieta, mais surda a estímulos. Até a bicharada sente que não estou ali, e desatam todos ao mesmo tempo a dar-me marradinhas ou a lamber-me os pés.

O mais engraçado num relacionamento, seja ele qual fôr, é que mesmo quando acham que nos conhecem muito bem e que sabem perfeitamente o que nos passa pela cabeça, só nós, e mais ninguém, é que o sabemos. Se por um lado o isolamento é pesado, também pode ser de longe a melhor das liberdades individuais.

Yesterday, porque parece escrito para hoje. E porque a minha Mãe gostava.
.

13 comentários:

Fatyly disse...

Se por um lado o isolamento é pesado, também pode ser de longe a melhor das liberdades individuais.
..........
Gostei muito deste te post e é de facto a melhor das liberdades!

Yesterday...recebe um grande xicoração muito apertadinho.

Lana Nóbrega disse...

vi sua mensagem no blog da 'avuela bloguera' e vim aqui deixar um abraço

:: um abraço ::

viu?

ps: adorei seu blog!

.

Teresa disse...

Eu chamo a essa muralha, que também ergo muitas vezes, a parede de vidro.
Vou ver se tens aqui um endereço de mail e, se tiveres, mando-te uma música, que também parece ser escrita para hoje, e talvez ainda mais alargadamente.

Entretanto, espreita isto: http://teresa-beatlesforever.blogspot.com/

Talvez a tua Mãe também gostasse.

Mad disse...

Fatyly,
Recebido. Outra graaaaande para ti.

Lana,
Obrigada pela visita e principalmente pelo abraço. Volta sempre.

Teresa,
A minha muralha é de pedra bruta, mas certas coisas fazem-na derreter como se fosse feita de manteiga...
Obrigada por tudo.

Lana Nóbrega disse...

levei um tempinho para entender...

daí lembrei da brincadeira - já há alguns anos - na época de criar o blog.

ah! eis a confusão :P

hoho

mas me corrigindo: a nacionalidade e a residência é brasileira

:]

voltarei sim!

bjo! :*


.

Gi disse...

Parece que me estou a ler ...

Sentires

Dscobri o teu outro blogue primeiro já lá deixei os agradecimentos pelas tuas gentis visitas e palavras.

Um beijo, volta sempre, és bem vinda

kiko b disse...

esse é um dos segredos que cada um tem, e é tão bom...

FL disse...

"O teu outro blog"?????
Exigo esclarecimento imediato!!!!

Capitão-Mor disse...

O meu silência também anuncia sempre algo de negativo...

Huckleberry Friend disse...

A solidão, quando voluntária, é um pulmão. Quando imposta, é um sufoco. No primeiro caso, desconcerta os outros. No segundo, desconcerta-nos a nós. Beijos!

rv disse...

Qual BLOG? também quero saber!
Rosarinho

rv disse...

Qual BLOG? também quero saber!
Rosarinho

av disse...

Pois é... QUAL BLOG?????
Bom, agora já sei!